5 formas de aprimorar o inglês

5 formas de aprimorar o inglêsOlá, pessoal!
É fato que, na área de TI, a maioria das ferramentas, documentações, materiais de estudo e sintaxe de linguagens de programação é escrita em inglês. Isso torna o conhecimento deste idioma extremamente importante para nós, profissionais dessa área. O artigo de hoje apresenta 5 práticas, ou hábitos, que podem nos ajudar a aprimorar o conhecimento em inglês, acompanhados de uma boa força de vontade. Let’s go ahead!

 

O meu conhecimento em inglês é pós-intermediário. Embora eu venha estudando o idioma em um curso online há 1 ano, descobri que, para aperfeiçoar a nossa experiência, é necessário inserir o inglês no nosso cotidiano, mesmo que em poucas porções. Durante este tempo, pesquisei e recebi algumas recomendações de professores, nativos e pessoas que já são fluentes no idioma, o que me levou a elaborar as 5 dicas abaixo. A partir do momento que comecei a praticá-las, realmente senti uma diferença no meu nível de expressão e compreensão. Espero que elas também sejam úteis para você, leitor, que, assim como eu, está na busca pela proficiência.

 

1) Podcast
Sim, eu entendo que essa dica é genérica demais e que a maioria dos professores já recomendam podcasts. Porém, observe que o título da dica está no singular – isso significa que não estou falando sobre podcasts em geral, mas em um específico, chamado RealLife English. Conheci esse podcast no início de 2014 enquanto pesquisava no Google sobre formas de otimizar o listening. A princípio, pensei que seria mais um daqueles podcasts maçantes e estritamente roteirizados, mas foi um equívoco. Nesse podcast, dois ou três nativos conversam naturalmente sobre um determinado tema, como se fosse uma conversa casual. Enquanto conversam, eles explicam, de uma forma bastante descontraída, cômica e espontânea, o vocabulário e as expressões que empregam. O mais interessante é que o RealLife Podcast foi gravado por muito tempo no Brasil, em Belo Horizonte. Eles vieram para o país para aprender português e aproveitaram para fundar esse grupo online de ensino.

RealLife English logo

O podcast normalmente é dividido em 5 seções: 1) Shoutouts – agradecimentos e feedbacks dos ouvintes; 2) Today’s news story – uma notícia aleatória para explicar expressões e vocabulário; 3) Conversation topic – conversa espontânea sobre um tópico por quase 10 minutos; 4) Question – dúvidas dos ouvintes.
Embora toda a série seja interessante, eu recomendo ouvi-la a partir do episódio 46, no qual eles aplicaram várias modificações no formato do podcast.
Se o RealLife English for muito avançado, lembre-se de que existe também o ESL Podcast do professor Jeff McQuillan que, apesar de roteirizado, as palavras são pronunciadas com mais clareza e com uma velocidade mais adequada para iniciantes.

 

2) TV Shows
Se você é um nerd como eu, provavelmente assiste seriados de TV, ou TV Shows! Faz parte da nossa natureza! 🙂
Devo dizer que sempre gostei de assistir seriados legendados. Na minha opinião, a dublagem afeta a originalidade do áudio, soando um pouco “artificial”.
Certa vez, ouvi dizer que assistir seriados com áudio e legendas em inglês era uma ótima forma de praticar o idioma. Pois bem, na época, eu estava assistindo Prison Break e decidi fazer uma tentativa. Resultado? Assisti 10 minutos do episódio e voltei para a legenda em português, haha! Achei difícil, mas não descartei a ideia.
Após alguns dias, quando comecei a acompanhar Person of Interest, tentei novamente, mas dessa vez com mais empenho. Não vou dizer que foi fácil, já que era preciso pausar a série de minuto em minuto para pesquisar as palavras e expressões que eles falavam, mas, durante esse processo, eu descobri que estava me tornando mais “íntimo” do inglês. Além disso, percebi que consigo entender melhor o significado das frases, em comparação com as traduções em português.

Cena - Person of Interest

A segunda vantagem veio a longo prazo: aos poucos, eu notei que definitivamente estava expandindo o meu vocabulário, principalmente com Phrasal Verbs. Comecei a utilizar expressões involuntariamente nas aulas de inglês, e sempre me perguntava: “Aonde eu aprendi essa expressão…? Ah, lembrei, no seriado!”.

 

3) Imersão
Um dos meus professores disse que imergir no inglês é um ponto vital para o aprendizado. Ao “convivermos” com o inglês, o nosso cérebro se acostumará cada vez mais com o idioma. Isso é que chamam de “Daily Diet” – introduzir algo no cotidiano para que o nosso conhecimento permaneça constante. Na verdade, é o mesmo que usar um medicamento: devemos tomá-lo no intervalo correto de horas para que não perca o efeito, não é? Logo, se “tomarmos” um pouco do inglês diariamente, o nosso aprendizado também surtirá efeito!
Para isso, experimente trazer o inglês para a sua rotina diária. Altere o idioma do celular, do computador ou até dos aplicativos que utiliza para o inglês. Ao pesquisar algo na internet, tente ler os resultados em inglês antes de partir para o português. Procure também modificar o idioma de webmails e redes sociais, como Gmail, Facebook e Twitter. Hábitos como estes nos levam a sentir mais confortáveis com o idioma.

 

4) Artigos
Essa dica também é de uma professora de inglês. Quando perguntei-lhe sobre formas de expandir o meu vocabulário, ela recomendou a leitura de um artigo em inglês por dia, preferencialmente sobre algo do meu interesse. Indicou uma lista de links com notícias e artigos, como CNN, New York Times, Washington Post e The Guardian. Segundo ela, pode ser uma notícia breve, desde que entendamos o contexto. Essa leitura diária irá aumentar a capacidade de construir frases em inglês e evitar erros com preposições, além de, claro, expandir o vocabulário.
Alternativamente, pode-se utilizar o esquema de feeds RSS para receber notícias de sites automaticamente, ou curtir páginas em inglês no Facebook para receber chamadas de artigos direto na timeline. Uma sugestão é a página do TED.

 

5) Grupos de conversação
Por último, mas não menos importante, a experiência com a conversação! No meu curso de inglês, conheci algumas pessoas de outros países e, na medida do possível, combinávamos uma data para conversar durante 1 ou 2 horas pelo Skype. É uma forma valiosa de praticar o speaking e o listening! E mais: como não há professores, ninguém se sente inseguro de errar, e isso é importante!
Por outro lado, caso você não se sinta confortável em conversar pela internet, procure por grupos de conversação na sua cidade! Se não existe um, então crie! Estudantes de inglês são fáceis de encontrar e, na maioria das vezes, são pessoas dispostas a aprender. Um grupo de três ou quatro pessoas já é o suficiente para um encontro presencial em uma cafeteria, biblioteca ou até mesmo em um local aberto.
Vale frisar que o seu nível de confiança no inglês aumenta conforme participa de eventos como estes. Lembro-me de uma frase que o meu professor disse: “André, você tem conhecimento em inglês, só não tem segurança para falar”, e ele tem razão. Talvez, por conta da nossa insegurança ou timidez, temos a tendência de não desempenhar uma boa comunicação. Os grupos de conversação são essenciais para quebrar essa barreira!

 

Pessoal, por hoje é só!
Boa sorte nos estudos em inglês!
Abraço!


 

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

3 comentários

  1. Otimas dicas como sempre André!
    Trino com filmes e tv a cabo…sempre que assisto um filme procuro legendado…e ouço bastante discurso…principalmente do Obhama…ele tem um dicção perfeita…da pra entender quase tudo!

    1. Olá, Benedito, tudo certo?
      Isso mesmo! Filmes e discursos (ou palestras) também são grandes aliados no aprendizado, principalmente quando a pronúncia é nítida! Eu gosto de assistir as palestras do TED. São bem interessantes!
      Obrigado pela contribuição, Benedito!
      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha o campo abaixo * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.