Chaves primárias vs Chaves de negócioSaudações, leitores, tudo certo?
Só uma pergunta: no seu sistema, o usuário pesquisa pela chave primária para encontrar um registro, como, por exemplo, pelo código do cliente?
Se a resposta for positiva, convido-o para ler este artigo sobre chaves primárias e chaves de negócio. Talvez você irá repensar os seus Selects, haha!

Continue lendo

Não seja um programador ignorante!Como estamos inseridos no mercado de trabalho de desenvolvimento de software, é comum encontrarmos profissionais que trabalham com diferentes linguagens de programação. Porém, apesar de compartilharmos da mesma área de atuação, muitas vezes é praticamente impossível levar uma conversa produtiva com alguns destes profissionais. Caros leitores, estou falando dos programadores ignorantes.

Continue lendo

Estimativa é uma coisa. Realidade é outra.Durante a minha jornada como desenvolvedor de software, sempre fui assombrado por um conceito que, idealmente, deveria me ajudar: as estimativas. A razão desse temor origina-se de vários fatores, desde a inconsistência no gerenciamento de projetos até as dificuldades emergentes de um código de difícil manutenção. Diante disso, faço o meu apelo: não confunda estimativa com realidade.

Continue lendo

A crueldade de um software lentoOlá, caros leitores!
Acredito que todos vocês, pelo menos alguma vez, já se irritaram com um software lento em algum estabelecimento. O que pode passar despercebido é que, além da irritação, a lentidão pode causar outros impactos, até mesmo na sociedade!
O papo de hoje, portanto, é sobre desempenho, um dos requisitos não-funcionais de uma aplicação. Acompanhe!

Continue lendo

Clean Code e Desenvolvimento Ágil são controversos?Assunto polêmico, hein?
Bom, pessoal, sempre abordei os dois temas mencionados no título deste artigo. O primeiro preza pela objetividade, expressividade e legibilidade do código, com base em refatorações contínuas e implementação de testes. O segundo contempla uma série de metodologias para aumentar a velocidade na entrega de funcionalidades. Dado o propósito de cada um, é correto afirmar que, se valorizarmos mais um deles, o outro será negligenciado?

Continue lendo