Dicas de SEO para WordPress

Dicas de SEO para WordPressSaudações, amigos!
Há alguns dias, uma pessoa me procurou para saber quais são os critérios necessários para que o conteúdo do blog seja exibido nos resultados dos mecanismos de pesquisa. Após orientá-la, notei que ainda não escrevi um artigo sobre os procedimentos que realizo para melhorar a indexação do blog nestes mecanismos. Se você possui um blog, pretende criar um ou simplesmente se interessa pelo assunto, confira o artigo!

 

Mecanismos de pesquisa, como o Google, por exemplo, possuem um rastreador de páginas capaz de buscar e indexar sites com base em palavras-chave, sitemaps, dados estruturados e outras informações relevantes sobre o conteúdo. Através dessa indexação, os mecanismos consultam, classificam e priorizam os resultados quando o usuário realiza uma busca. No entanto, existe um processo para aprimorar a forma como estes mecanismos “enxergam” e “entendem” os sites, conhecido como SEOSearch Engine Optimization.
SEO, para mim, era um termo relativamente desconhecido quando comecei as atividades no blog. Eu sabia do que se tratava, mas não tinha conhecimento de como as engrenagens giravam. Aos poucos, através de artigos e guias, aprendi algumas técnicas de como aplicá-lo no blog e faço questão de compartilhá-las aqui. Mesmo assim, sei que ainda tenho muito o que aprender sobre SEO.

Bom, em primeiro lugar, ao pesquisar por alguns plugins do WordPress para essa finalidade, encontrei o WordPress SEO, da Yoast. Como o próprio nome diz, este plugin fornece uma série de recursos para configurar os aspectos do blog nos resultados das pesquisas, como Metadados, Títulos, Redes Sociais e sitemaps, além, também, de adicionar um novo painel no editor de textos para trabalhar com palavras-chave e meta-descrição dos artigos. A interface é intuitiva e exige apenas o preenchimento de alguns dados. O plugin cuida do resto!

Percebeu que até agora mencionei a palavra “sitemap” duas vezes. Já conhece esse termo?
Sitemap, basicamente, é um arquivo XML que contém a estrutura de páginas do site, ou melhor, o “mapa” do site. Por meio da leitura deste arquivo, os robôs dos mecanismos de pesquisa são capazes de compreender a forma como o conteúdo do site está organizado. Criar um sitemap é um procedimento essencial de SEO, já que permite que os mecanismos associem palavras e frases de buscas com o conteúdo do site.
Embora o WordPress SEO já forneça um recurso de sitemaps, optei por instalar um plugin exclusivo para esse propósito, chamado Google XML Sitemaps. Na minha opinião, esse plugin apresenta opções mais detalhadas para a configuração personalizada do sitemap.

A segunda técnica que emprego para divulgar o blog é através de redes sociais. A cada semana, o novo artigo publicado é compartilhado no Facebook, Twitter, LinkedIn, Google+ e divulgado no Digg. Além disso, também envio a URL do artigo para o Bing Webmasters, mesmo que não seja um mecanismo tão popular como o Google.
O objetivo desse compartilhamento é atingir diretamente o público-alvo do blog sem depender dos resultados dos mecanismos de buscas. Os leitores que seguem a página do blog no Facebook, por exemplo, são notificados de novos artigos semanalmente, sem precisar pesquisá-los no Google. Uma das maiores vantagens com esse compartilhamento é o aumento do número de acessos, que, por sua vez, colabora para o ranking do blog nos mecanismos.
Como uma alternativa, o autor do blog pode adicionar uma barra de compartilhamento na lateral ou no rodapé de cada publicação, assim como aparece no final deste artigo. Estes atalhos facilitam o compartilhamento, evitando a necessidade de copiar links. Para essa finalidade, entre várias opções, utilizo o plugin Shareolic, principalmente pela facilidade de instalação e configuração.

Como mencionei anteriormente, outra dica importante são os próprios dados de SEO, como palavras-chave, meta-descrição, tags e categorias. Para cada publicação, procure encontrar uma palavra-chave altamente condizente com o conteúdo, de modo que os mecanismos de busca encontre e destaque o blog quando a palavra-chave for pesquisada. A respeito das meta-descrições, elabore um texto sucinto e objetivo sobre o conteúdo da publicação, incluindo também a palavra-chave! Este texto deve ser interessante o suficiente para atrair o leitor para o site.
Para as imagens, a regra é a mesma, já que elas também armazenam dados de SEO e são indexadas no banco de imagens dos mecanismos. Ao ser exibida nos resultados, a imagem pode levar o internauta até o blog, gerando, claro, mais uma visita! Na melhor das hipóteses, o usuário pode se identificar com o site e visitá-lo com mais frequência, ou, talvez, compartilhá-lo com outras pessoas. Bacana, não?

Agora, partindo para um cenário mais avançado de SEO, o Google disponibiliza uma ferramenta para testar, acompanhar e melhorar o rastreamento do blog, chamada Google Search Console. Um dos recursos disponibilizados por essa ferramenta, no qual me chamou bastante a atenção, chama-se Marcador de Dados, que permite destacar campos na página do blog para que o Google compreenda, de forma mais inteligente, como os dados estão estruturados e como devem ser disponibilizados para o internauta. Através dessa marcação, o Google exibirá a página nos resultados de busca em um padrão mais específico, como se o mecanismo “aprendesse” a apresentar o site. Veja um exemplo de utilização do recurso:

Marcador de dados do Google Webmasters

 

Por fim, pessoal, mais uma dica. Há alguns meses, o Google Search Console estava indicando que algumas páginas do blog não forneciam informações estruturadas sobre a data e o autor da publicação. Essa verificação é realizada com base em um modelo conhecido como Microformato, que, a grosso modo, é um instrumento que permite extrair informações precisas da Web para indexar dados mais confiáveis.
Pois bem, após algumas pesquisas (e alguns picos de preocupação, pois não encontrava a solução!), encontrei um tópico de um fórum que tratava sobre o assunto. Um dos membros recomendou a inclusão de duas funções no arquivo functions.php do tema do WordPress que resolveram o meu problema. Em 2 semanas, o apontador de erros do blog diminuiu de 119 para zero!
Se não me engano, essa falta de informações estruturadas depende do tema que está instalado no WordPress, portanto, caso você esteja enfrentando o mesmo problema, segue o código:

function hatom_mod_post_content ($content) {
  if ( in_the_loop() && !is_page() ) {
    $content = '<span class="entry-content">'.$content.'</span>';
  }
  return $content;
}
add_filter( 'the_content', 'hatom_mod_post_content');
 
function add_mod_hatom_data($content) {
    $t = get_the_modified_time('d/m/Y');
    $author = get_the_author();
    $title = get_the_title();
    if (is_single() || is_page()) {
        $content .= '<div class="hatom-extra"><span class="updated">'.$title.'</span> foi atualizado no dia <span class="updated"> '.$t.'</span> por <span class="author vcard"><span class="fn">'.$author.'</span></span></div>';
    }
    return $content;
    }
add_filter('the_content', 'add_mod_hatom_data');

 

Antes de finalizar o artigo, vale lembrar que também há o arquivo robots.txt. Uma explicação sobre esse arquivo renderia um novo artigo, então, recomendo a leitura do artigo do SEO Marketing, disponível neste link. Não existe uma estrutura padrão desse arquivo, principalmente pelo fato de que cada blog/site apresenta conteúdos diferentes e de formas também diferentes. No meu blog, decidi manter o robots.txt bem simples, apenas com as seguintes regras:

User-Agent: *
Disallow: /wp-login.php
Disallow: /wp-admin/
Disallow: /xmlrpc.php
Disallow: *?replytocom

Utilizei o comando Disallow para as páginas “wp-login.php” e “wp-admin” por questões de segurança. Se você usa WordPress, recomendo adicionar essas duas linhas para evitar tentativas de acesso indevidas ao painel de controle!

 

Por enquanto é isso, leitores!
Até a próxima semana!

Obs: estou aceitando sugestões de SEO para aprimorar a visibilidade do site. Tem alguma? 🙂


 

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

2 comentários

  1. Parabéns pelo post. Muito interessante mesmo. É bom ter uma atenção balanceada a diversos fatores de SEO e não simplesmente ficar focado em apenas um ou dois aspectos. Eu sinceramente não conhecia algumas das técnicas abordadas e confesso que já as adotei.
    Parabéns.

    1. Opa, obrigado pelo comentário, Marcos!
      Concordo com você! Apenas uma ou duas técnicas de SEO não é o suficiente para obter bons resultados. Quanto mais técnicas utilizadas, melhor!
      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha o campo abaixo * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.