Por quê os bancos investem em tecnologia?

Por quê os bancos investem em tecnologia?Banco do Brasil, Bradesco, Unibanco, HSBC, Itaú, Santander e Caixa Econômica Federal. Todos os bancos no Brasil possuem um website com um portal de acesso às contas bancárias, conhecido como Internet Banking ou e-banking. Mas qual a vantagem disso? Bem, neste caso temos vantagens para os dois lados.

Para o cliente do banco, a possibilidade de ver o saldo e outros dados da conta bancária sem sair de casa se tornou algo seguro e fácil. Essa diretriz já foi abordada há muito tempo no comércio eletrônico, onde a compra de um item pode ser feita sem sair da frente do computador. Em cidades grandes, onde os roubos ocorrem geralmente aos redores de bancos, as pessoas decidiram deixar de frequentar as agências e passaram a fazer transações comuns pela Internet. Convenhamos também o fato de que, ao sair de casa para ir ao banco, normalmente as pessoas gastam com transporte e geram outras despesas adicionais durante o percurso, além da demora até chegar ao local.

Lógico, isso também requer um complexo de atenção e segurança da parte do usuário. Para acessar a conta bancária pela Internet, é imprescindível o uso de um bom firewall e um anti-vírus atualizado no computador. Eis a razão: quando o acesso ao banco via Internet se tornou disponível, programadores mal intencionados criaram aplicativos conhecidos como keyloggers, capazes de captar tudo o que o usuário digita e depois enviar aos criadores do malware. Portanto, se o seu computador estiver infectado com um keylogger e você digitar o número e senha do seu cartão de crédito, possivelmente essas informações serão redirecionadas à outra pessoa. Antes de usar o Internet Banking, certifique-se de tomar as medidas de segurança corretamente.

Para o banco, o investimento em tecnologia gera outra perspectiva de vantagens. Você sabia que a cada cliente que acessa a conta bancária pela Internet ao invés de ir na agência, o banco economiza cerca de 0,70 centavos? É claro, não é um número exato, mas é uma média aproximada do valor.
Isso se baseia em alguns fatores. Quando uma pessoa exige o saldo impresso em um caixa eletrônico, o banco gasta com a impressão do
 papel e com a vida útil do caixa. Pode parecer até radical, mas imagine o quanto isso significa se pensarmos na multiplicidade de clientes que cada banco possui? Em outras palavras, quanto menos o cliente entrar em uma agência bancária, mais o banco economiza com gastos. Por exemplo, vamos supor que a cada minuto milhares de pessoas entram nas agências e retiram um extrato do saldo bancário. Se esses milhares de pessoas visualizassem o saldo pela Internet, o banco economizaria na impressão desses milhares de papéis. Além disso, a diminuição de impressos também ajuda na preservação do meio ambiente, o que torna o banco aderente à responsabilidade social. Talvez seja por isso que a maioria dos bancos adicionou a opção “Ver saldo na tela” nos caixas eletrônicos, evitando a impressão do papel.

Outra vantagem pode ser observada também no serviço de atendimento ao cliente. No site pode ser mais rápido e fácil encontrar orientações referentes à alguma dúvida do que ir até uma agência e passar um bom tempo conversando com um funcionário. Outro aspecto é a confiabilidade: a tecnologia da informação oferece meios de armazenamento e processamento confiáveis, automatizando processos que antes eram feitos manualmente, como desbloqueio do cartão de crédito e o aumento de limite bancário, por exemplo.

Os bancos também investem em tecnologia para satisfazer as necessidades dos clientes. Quanto mais serviços e recursos online forem oferecidos pelo banco, a frequência de utilização do Internet Banking são maiores, abrindo vantagem na concorrência. As expectativas indicam que, quanto mais a Internet for utilizada para o acesso ao banco, as filas nas agências e o tempo de espera para o atendimento se tornem cada vez menores. Aliás, é isso que esperamos, não é?

 

Espero que tenham gostado do artigo!
Obrigado pela leitura, e até a próxima!


 

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

2 comentários

  1. Só há uma coisa que não entendo com relação à aplicação da tecnologia da informação nas agências bancárias: Por que afinal de contas os sistemas de consulta, alteração de cadastro e outros dados, utilizados pelos atendentes das mesas de atendimento ao correntista ainda hoje são baseados em sistemas DOS? Ou será que não é DOS? Se não for, ao menos a forma de funcionamento, sem mouse e com uso praticamente apenas de teclado numérico e tecla enter para escolher as opções, remete aos antigos sistemas feitos em Clipper. Seriam estes mais seguros que os sistemas baseados em plataforma Windows, ou seria uma mera questão de custo para a renovação de todos os programas de todas as agências?

    1. Olá, Jadilson! Ótima pergunta! Para ser honesto, eu também carrego essa dúvida há algum tempo e acredito que a resposta esteja relacionada aos dois pontos que você mencionou: custo de migração e sistema legado. A maioria dos softwares utilizados nos bancos foram escritos na linguagem Clipper, na qual é utilizada para sistemas DOS. Não tenho conhecimento nessa linguagem, mas penso que o desempenho e segurança fornecidos por ela atendem exatamente as necessidades dos processos bancários. Talvez, se todo o sistema fosse migrado para Java, por exemplo, o desempenho (agilidade nas operações e consultas) não seria o mesmo. Mesmo assim, suponho que deve haver outros fatores que interferem nessa questão.
      Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha o campo abaixo * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.