Escalabilidade e sustentabilidade em um ambiente corporativoOlá, pessoal! Recentemente acompanhei uma discussão no LinkedIn que trazia o seguinte enunciado: “Como sabemos se uma empresa é escalável e sustentável?”. Apesar de interessante, poucas respostas foram postadas e os membros não chegaram a um consenso unânime. Diante dessa dúvida, decidi elaborar um artigo com a minha perspectiva sobre o assunto e, talvez, contribuir com a base de conhecimento de profissionais ágeis. Acompanhe-me!

Continue lendo

Aprenda a dizer "Não" para o Product OwnerQuando trabalhamos com Desenvolvimento Ágil, nós, desenvolvedores, assumimos uma postura diferente. O perfil do “desenvolvedor ágil” exige mais comprometimento, comunicação e colaboração de acordo com as diretrizes da metodologia. Porém, isso não significa que somos obrigados, por exemplo, a concordar com todas as solicitações do Product Owner. Não é fazer cara feia. É simplesmente ser profissional.

Continue lendo

Desenvolvedores devem ser tratados como voluntáriosHoje, deixaremos os assuntos técnicos de lado e discutiremos um tema motivacional. O objetivo desse artigo é apresentar uma perspectiva alternativa sobre o comprometimento dos desenvolvedores e a motivação que os leva a desempenhar um bom trabalho. Afinal, desenvolvedores desmotivados é um aspecto comum nas empresas de desenvolvimento, não é? Por quê?

Continue lendo

O e-mail como forma de documentaçãoNos dois últimos artigos, discutimos sobre o direcionamento de culpa quando um bug é encontrado no software. Aproveitando a temática, o artigo de hoje apresenta meios para se livrar de uma culpa injusta em um ambiente corporativo. Entre esses meios, o e-mail é um grande aliado, desde que você saiba como usá-lo para essa finalidade.

Continue lendo

Bug no software! De quem é a culpa? - Parte 2Na primeira parte do artigo sobre quem leva a culpa quando um bug é encontrado no software, alguns critérios foram empregados para definir a discussão, como a documentação, ambiente de testes e complexidade do requisito funcional. Em continuidade à discussão, este artigo traz uma perspectiva voltada para o processo ao invés de um recurso físico. Vamos continuar?

Continue lendo